Minha lista de blogs

terça-feira, 19 de junho de 2018

Era uma vez, um povo que era sempre a vítima...

Onde quer que fossem eram mal compreendidos, odiados e por fim expulsos. Isso aconteceu durante boa parte de sua história. Então, em um belo dia, quando muitos se convenceram dessa narrativa lacrimosamente vitimista, excessiva e suspeita, alguns resolveram ligar os pontos ao invés de ficarem sentados ouvindo os contadores de estórias, enfim, de buscarem por si mesmos tentar entender isso de perto. E um deles, este sábio louco que vos fala, também fez o papel do menino pobre que aponta para a pele exposta do rei e diz: "ele está nu"

Não faz qualquer sentido racional o papel de santos absolutamente mal compreendidos para este (((povo))), a partir do momento em que esse padrão de ódio e expulsões, supostamente absolutos em irracionalidade, tem se repetido de costa à costa, por tanto tempo. Ainda mais agora quando os seus joguinhos e artimanhas estão ficando cada vez mais explícitos ou visíveis.

Eles não são os únicos que se pintam de seres perfeitos incapazes de cometerem erros porque esta é a regra para a maioria dos povos e culturas humanas, aliás, esta é a regra do comportamento da vida, de uma maneira geral. Mas eles são os que, com base em truques sujos, $$$poder$$$ e "trabalho de equipe", tem buscado empurrar essa versão tola de sua história e por incrível que pareça (ou não) uma proporção grande de pessoas tem caído até com facilidade, talvez porque, como eu já escrevi muitas vezes, estas sejam do tipo cronicamente preguiçoso na hora de pensar e consequentemente de buscar pela veracidade dos fatos.


Lembrem-se sempre de suspeitarem de "pessoas inatamente perfeitas", e não se esqueçam também de povos ou populações humanas que se dizem perfeitinhos...

A maioria nunca foi, tem sempre um podre, e em alguns casos, a podridão pode ser quilométrica... como parece ser este aqui.

Uma explicação complementar para o porquê de muitos caírem nessa versão extremamente suspeita da história deste povo, é que, astutamente, estes tem manipulado essas informações, dotando-as de grande complexidade ou floreamento que obscurecem a simplicidade ilógica subjacente às mesmas, enquanto que bastam os padrões estruturais, primários, para que comecemos a desconfiar dela.. 

segunda-feira, 18 de junho de 2018

Culpa branca... preta, amarela...

Os conservadores são, em média, aqueles que mais celebram as suas culturas particulares ou modos de vida. E também são aqueles que, em média, quando cometem erros (sempre derivados desta interação fundamental entre o ser humano e a sua cultura, à priore individual), buscam racionaliza-los ou justifica-los, isso quando não passa batido sequer a consciência de autocrítica, sem necessariamente tê-la como subsequência. Claro, eles não são os únicos que agem assim, e os seus algozes ideológicos tem comprovado o quão universal pode ser a imaturidade humana. Mas não restam dúvidas de que sejam essas pessoas menos propensas a reconhecerem e a pedirem desculpas por erros morais já cometidos, diga-se, erros morais atrelados à moralidade universal. Eu também vou falar, ou melhor, reapresentar esse assunto no meu outro blog. Neste novo, com novo nome e nova proposta, se possível, todas as minhas ideias ou linhas de pensamento e também algumas mudanças, por exemplo, sobre os meus conceitos de moralidade objetiva e subjetiva. Decidi aprimora-los, acrescentando a moralidade primária, mantendo a subjetiva e substituindo a objetiva pela universal. 

Os conservadores, assim como a maioria da população, aliás uma redundância, já que eles são a maioria, apresentam essa tendência de ênfase predominante sobre as duas primeiras moralidades. A primária foi a primeira forma de moralidade a ter aparecido entre os humanos, basicamente emulando o comportamento hiper-pragmático de adaptação, muito comum se não característico no meio natural. Os seres humanos tendem a beber dessas moralidades, mas isso acontece tendenciosamente de modo variável, sendo que alguns (ou muitos) acabarão seguindo mais uma que as outras.

 Os mais realistas seriam, então, os mais adeptos da moralidade primária, que pode, com facilidade, se tornar falaciosa, especialmente quando adentra ao naturalismo, que eu preferi chamar de animalismo, a linha de pensamento que defende o comportamento preferencialmente oportunista ou amoral, com base no argumento que o ser humano por ser um "animal", deva se comportar como ''tal''. 

Outro grupo de conservadores se consistem naqueles que usam a religião como meio de ação moral. Eu decidi manter o termo moralidade subjetiva, mas, ao invés de antagoniza-lo à objetiva, diga-se, de modo tortuoso, achei melhor enfatizar pelo conceito mais central da subjetividade, algo que é vivenciado, produzido ou derivado do indivíduo. Bem no início da humanidade, construíamos os nossos valores (morais) com base em nossa conjugação adaptativa ao ambiente. Então, "começamos" a ter curiosidade por questões existenciais, nascendo a religião.  Este processo, muito provavelmente, começou com certa classe de pessoas antes de ter se tornado a regra nas comunidades. Portanto, parece que foram pessoas e grupos reduzidos que passaram a se perguntar e a responder sobre esta realidade que está muito além do alcance do consciência humana. A religião ou crença mitológica foi substituindo em partes a moralidade primária, na maioria das vezes disfarçando-a ou associando-a às suas distorções e incompletudes. Os mandamentos do ambiente foram sendo em partes substituídos pelos mandamentos do homem e para si mesmo. Quase todas as mitologias ou religiões tem fundadores que impõem os seus pontos de vista, daí o caráter subjetivo onipresente à elas. 

Se, quem acha que devemos "agir como animais (não-humanos)" mas que também tem um maior realismo quanto à natureza comportamental humana ou ao menos de suas origens, nós podemos chamar de realistas, aqueles que acreditam em mitologias, diga-se, distorções logicamente cavernosas que são usadas como explicações para as suas fundações e também para a própria realidade, eu achei apropriado denominar de surrealistas. 

Os moralistas primários são tendenciosamente insensíveis, logo eles serão deficientes na hora de buscar pelo melhor julgamento. Os moralistas surrealistas, pelo simples fato de "consultarem oráculos" para julgarem ou tomarem decisões morais (ainda que isso tenha uma base comportamental biológica), estarão não apenas moralmente tendenciosos mas também factualmente equivocados, mesmo que acertem em alguns pontos. Aliás este é o diferencial da moralidade universal sobre as outras já que busca acertar em tudo.

Breve histórico autobiográfico 


Quando eu comecei a me tornar consciente da realidade geopolítica monstruosa que o ocidente está a se afundar (ainda mais) passei a agir como um conservador típico mesmo não sendo um, chegando a ponto de justificar os muitos erros morais que "os" ocidentais tem cometido, e não apenas contra outros povos mas contra eles mesmos.


Acredito que, por causa da pouca idade ou talvez, pelo meu cérebro ainda em desenvolvimento. Então continuei com o processo de amadurecimento moral. Até cheguei a ter uns breves momentos de desvio para o surrealismo, ainda na infância, mas graças a..., eu não cheguei a afundar nessas fantasias absolutamente populares entre humanos.


Tipo de narrativa

Percebam que, quando aceitamos ou internalizamos certa narrativa hiper-coletivista, que reduz indivíduos, circunscritos aos seus espaços e tempos particulares, à peças atemporais e coladas das coletividades étnicas, ideológicas ou etc, a que também pertencem, passamos a encarar qualquer ato cometido por elas como se também fossem nossos, por exemplo, a escravidão de negros africanos por brancos europeus. Sim, eu disse qualquer ato, porque esta coletivização também pode acontecer no caso de realizações moral ou intelectualmente positivas.

Portanto, se ''os'' brancos ou, grupos de brancos [europeus], escravizaram grupos [demograficamente volumosos] de negros [africanos], do século XVI ao XX, e eu sou apenas este garoto, maroto, ''branco' [de 30], nascido no final da década de 80, então eu não tenho, à priore, nada a ver com isso, pois não fui ou não sou o causador literal deste macro-ato monstruoso. 

No entanto, isso ainda não significa que, eu não terei nada a ver com isso, porque ao ser um herdeiro indireto de atos cometidos por outros, dentro do meu nicho ecológico/cultural, então inevitavelmente me verei, de certo modo, associado a tudo isso, e o melhor a fazer, de início, é o de, aceitar esta realidade, mas sem me hiper-associar, como se, de fato, tivesse sido o responsável por toda esta presepada de bem antes do meu nascimento...

Culpar uma coletividade, qualquer coletividade, por atos sem nome = correto.

.. De preferência especificar essa coletividade buscando pelos causadores originais de tal ato, por exemplo, os tipos mais ''anti-sociais'', mais inclinados ao cometimento de atos absolutamente abusivos = MUITO correto.

Culpar indivíduos inocentes mesclando-os à coletividades resumidas = errado.

Agora pela perspectiva do indivíduo envolvido

Se culpar de modo literal por atos que nunca cometeu = errado

Culpar a sua coletividade histórica [uma de suas, diga-se, porque não pertencemos apenas à raças ou povos] por atos, de fato, cometidos = correto.

Buscar por especificidades causadoras de tais atos [o mesmo que a terceira possibilidade]: MUITO correto.


Voltando à conclusão... de sempre

O problema não é o branquelo ter consciência do passado de crimes morais cometidos por suas coletividades (nações, povos, religiões...) mas que apenas ele passe por isso. Aí sim, outra culpa estará sendo negligenciada.


Portanto, a autocrítica histórica por parte das próprias populações humanas é mais do que necessário, se nada mais é do que a manifestação primária da sabedoria, da filosofia em seu cerne. No entanto, impor esta dicotomia de cartas absolutamente marcadas, de opressor e oprimido, justificando tudo aquilo que o segundo faz, em especial se for contra o outro, e pior, colocando no mesmo rótulo de ''opressor'' quem definitivamente não o é, com certeza que funcionará como um conjunto de julgamentos absolutamente contrários aos ditames mais essenciais da filosofia aplicada, 

e é exatamente o que está acontecendo.

Aqueles que vão até à montanha...

Quando não temos trabalhos "científicos' alheios para buscar entender uma realidade histórica a única e melhor via é a busca ou reconhecimento de padrões. Padrões são "pedaços" ou ''pontes'' de fatos que "se encaixam", ou também, tendências de comportamentos//dinâmica dos fatos que se repetem. Tudo começa com a capacidade de evitar cair na tentação das falácias lógicas básicas. Controlado o desejo, mesmo que concordemos com o que acabamos de ler, ouvir ou ver, jamais devemos nos usar como referência ABSOLUTA, na melhor das hipóteses como referência RELATIVA, se quisermos mesmo nos tornar pensadores natos, já que sempre partimos "de nós mesmos" quando buscamos pensar ou raciocinar sobre a realidade, aliás, este exercício, que começa muito antes, que é constante, quando estamos apenas existindo e/ou vivenciando a existência, por exemplo, em estado de inércia, sentados em um gramado, mesmo com os olhos fechados. 

A todo momento estamos percebendo padrões, mesmo que isso não emerja de modo verbalizado. Os pensadores ativos, portanto, são aqueles que não esperam que "a montanha venha até eles" pois, voluntariamente, vão até ela. Aí haveríamos de diferenciar os "engajadores" dos "pensadores ativos" e especialmente dos "mais sábios". À priore demonstrar maior ativismo quanto a certo assunto, não quer dizer que: o saiba mais do que os outros; que ao menos busca entendê-lo, indo até à sua "cordilheira", como se, a partir disso, automaticamente começaria a escala-la. E para falar a verdade, a maioria dos engajadores parecem ter menor entendimento sobre o que defendem (e inevitavelmente em relação ao que não defendem) do que a pessoa comum, especialmente se for uma questão advinda da "espinha dorsal da macro realidade", de nossa esfera absoluta de vivência.

Algo que já comentei sobre isso, mas aqui parece que consegui expor este pensamento, diga-se, pouco original, de maneira menos verborrágica. 

Vocês, com certeza, já devem ter percebido como que as pessoas, em média ou comuns, são acomodadas no que diz respeito aos seus pontos de vista, geralmente internalizando-os de maneira excepcionalmente ''bovina'', como se fossem extensões simbólicas ou culturais de si mesmos [e talvez sejam], como se estivessem internalizando os seus próprios reflexos de personalidade e cognição, e também de suas conjugações pessoais dentro de uma dinâmica sócio-existencial maior ou encapsulante. Esta transformação da realidade em verdade, por parte do ser humano, tem se mostrado em sua maioria falha, já que não buscam primeiramente compreender a primeira, pois não conseguem entender e mesmo aceitar que existem fronteiras que n'os separam do mundo ao redor, e o ideal seria então de aceitarmos os fatos, especialmente aqueles que estão mais íntimos a nós, e depois, aí sim, nos colocar no jogo da existência como sujeitos, quando pensarmos sobre os valores, que desenvolvemos, ou que apenas temos, e que gostaríamos que os outros também os expressassem, mesmo de pensarmos, novamente de maneira fatual, quanto à extensão demográfica desses ''outros'' em relação aos nossos nicho cultural ou existencial. 

Pessoas muito intuitivas e introspectivas e o péssimo hábito involuntário de fazer perguntas idiotas

Especulação hiper extrapolativa

Primeiro, são todos os mais intuitivos mais introspectivos?? Ou, são todos os mais introspectivos mais intuitivos??

Depois respondo (chuto) essa...

Teve uma sexta em que eu fui passear na cidade grande, isto é, a cidade de porte médio que engolfa em influência a micro (ou mico, dependendo da demografia) região onde me encontro. Então eu fui para o ponto de ônibus espera-lo e apareceu um que é de uma cidade vizinha. Cheguei à porta e perguntei ao motorista se o ônibus iria para a "cidade grande". O mesmo com um olhar de tédio disse que sim. Cheguei a perguntar duas vezes para ver se me entendeu e para ter certeza, em minha sofrível, pouco uniforme e involuntariamente não-verbal capacidade de comunicação. Qual é o problema disso?? Simples, a cidade desse ônibus fica em direção oposta ao da "cidade grande". Eu sabia, mas na hora algo me fez esquecer. Talvez a minha memória cambaleante. Talvez porque eu tinha acabado de escrever uns pensamentos ou frases para outro texto, estava concentrado neles, vi o ônibus se aproximando e corri para perto do meio fio para chama-lo com o típico sinal de mão. Interrompi bruscamente, tal como um freio, uma imersão à uma atividade intelectual intuitiva, já que escrevo geralmente a partir deste estilo ''vazante'',  para realizar uma atividade excepcionalmente corriqueira. Agora pouco eu tive um insight que me fez chegar até esse texto, de que uma das possíveis razões para a tendência de desatenção de tipos como eu, que conjugam altos níveis de introspecção e intuição, seja justamente as mesmas, e em atrito com a realidade, se, para nos concentrarmos, precisamos desligar parte de nossas atenções à interação imediata com o redor. E até "voltarmos" "100%" para ela, pode ser que esse processo ocorra de modo mais lento. E isso parece se aproximar à minha ideia sobre a natureza de multitarefa da atividade imaginativa, que, ao se manifestar, tenderia ou o faria de modo categórico, a fracionar a capacidade de atenção à realidade imediata, resultando, por exemplo, em um aumento de vulnerabilidade para fazer perguntas idiotas.


Então voltemos à pergunta do início do texto. Eu não sei, acho que primeiro devemos voltar aos conceitos de ambas, intuição e introspecção, para ver até onde que uma se comunica conceitualmente com a outra. A intuição é um estilo de pensamento ou raciocínio que acontece de modo consideravelmente subconsciente, quando o indivíduo não sabe como que aquela ideia lhe veio à cabeça. A introspecção é outro estilo de pensamento, diga-se, consideravelmente distinto, já que se caracteriza por altos níveis de deliberação intelectual, geralmente relacionada com tópicos intrapessoais, ainda que tudo aquilo que pensamos sempre principia por nós mesmos, e isso parece óbvio de ser constatado.

Portanto, pessoas que comungam os dois tipos de pensamento é possível que, em média, não sejam conscientes quanto ao grau de diversidade de estilos que estão a efetuar cotidianamente por meio de suas mentes, do mais subconsciente ao mais consciente. 

Quando temos os dois estilos em uma mesma pessoa é esperado, talvez, que, como resultado, apresente um potencial para a criatividade, especialmente para os níveis mais altos de realização criativa, visto que, quem pensa mais sobre as suas ações ou atividades pode ser ou se tornar mais apurado para melhora-las, enquanto que, apenas a intuição em altos níveis, e teremos uma pessoa com menor controle sobre essa capacidade imaginativa.  

sexta-feira, 15 de junho de 2018

Novo blog e novo nome e proposta para este blog...

Além de, talvez, começar outro blog, ''Princípios do Método Filosófico'', também pretendo mudar o nome deste de ''Sabedoria e Outros Conchavos'' para ''Voz da Razão'', ambos excessivamente pretensiosos, mas não seria a mim se não fosse assim, ;), pretensioso, pedante e decepcionante no final, ;) ;) 

Mudarei nome e proposta, pois escreverei mais sobre cotidiano mas mantendo por essa ênfase mais política, ideológica e inevitavelmente filosófica, de qualquer maneira... 

terça-feira, 12 de junho de 2018

Que me perdoem os "futebolistas", mas inteligência é fundamental...

Eu tentei explicar de maneira sofrível sobre a natureza ignóbil de muitos gamers brasileiros, suas péssimas famas no exterior e/ou suas naturezas empáticas/racionais embotadas. Agora volto um pouco para falar sobre outra turminha do barulho, esta, não sei se mais como produto da bio-cultura brasileira, mas tão desagradável quanto os gamers, claro, em média, pois não são todos que são qualitativamente ruins.

Falo, não sei se, em média típica, muito provável, e quando falamos sobre médias, não é apenas ~50% porque isso dependerá do grau de diversificação de subtipos e diferenciação do subtipo mais comum em relação aos demais, e, portanto podemos ter um grupo muito diverso cuja média, ou o subgrupo mais saliente, pode não ser maior que 30%, até àquele em que a média consistir em 80% ou mais. Em outras palavras, a média pode ser um quase totalidade, ou mesmo uma totalidade, até uma minoria volumosa em meio a muitas outras frações com tamanhos similares.

Eu já comentei em um texto agora longínquo sobre a intratável possibilidade de correlação positiva entre sabedoria e ter uma paixão desmedida ou mesmo constante em relação ao futebol. Adorar esportes de maneira geral, e claro, desprezando os assuntos mais importantes, já pode ser definido como algo absolutamente equivocado, se os mesmos nada mais são do que parte do mundo do entretenimento, da distração, inventado por "nós". E ainda adiciono a este péssimo hábito o excesso de zelo pelas artes, em que também se despreza por sua faceta existencialista ou se equivoca quanto ao seu poder social transformador. O mundo do entretenimento não deveria se sobrepor às prioridades mais importantes como o autoconhecimento, ou sempre melhor, o auto-entendimento, ao modo mais ideal de compreender, lidar e/ou julgar os nossos elementos de interação. Mas para uma massiva maioria, parece claro que a maneira com quê interagem com aquilo que denominei de "espinha dorsal da macro realidade", os fatos mais importantes para o indivíduo, revelam modos distorcidos que com frequência ou absoluta característica torna a distração o centro de suas vidas e como subsequência transformando-a em ilusão. 

Um próximo campeonato mundial de futebol está por vir e não deveria trata-lo de modo tão pessimista ou crítico, afinal, também "somos filhos de deus" e merecemos nos distrair. O problema é quando a distração não apenas nos abstrai do mundo doloroso em que vivemos mas também nos absorve a ponto de nos tornarmos iludidos. E quando isso acontece fica fácil para "raposas" astutas de nos manipular fracionando nossas esperanças de um ''mundo'' verdadeiramente melhor, comumente sem percebemos as suas ações sempre conspiratórias. No livro 1984, foi mostrado logo em seu início como que aquela sociedade hiper-distópica se distribuía hierarquicamente. Além dos membros do partido interno, os do partido externo, também haveriam os proles, isto é, as massas de pessoas pobres, que não pertencem às elites política e administrativa. Caracterizados como acríticos aos desmandos do governo, como massas de manobra facilmente distraídas com entretenimento de baixa qualidade. Pois bem, voltemos ao mundo real e nos perguntemos o quão parecido aquela realidade fictícia está em relação à nossa..

Por que especialmente o futebol??

O futebol é de longe o esporte mais rentável "da" humanidade, por ser o mais popular. No entanto este não é o único motivo para coloca-lo no centro da idiocracia em que [sempre] vivemos/temos vivido. Por exemplo, a ginástica artística, por também ser um esporte, não escapa do mesmo olhar crítico, especialmente quando passa a servir como arma de ilusão, de alienação. E olha que tenho na manga muitas cartas decisivas que a condenariam. Mas o fator popularidade pesa muito porque o seu poder de influência é muito maior. O futebol apresenta uma natureza comum, auto-evidente, em que homens se dividem em grupos e disputam territórios, nada mais masculinamente clichê. E novamente, se as pessoas conseguissem se distrair sem se alienarem.. ainda poderíamos ter ou manter outros problemas, por exemplo, os salários surreais que esses poucos homens ganham apenas para "jogarem bolinha". Se um extraterrestre hiper evoluído caísse na Terra e passasse a nos analisar, constataria rapidamente que somos uma espécie inferior, irracional e na melhor das hipóteses mais ignorante do que consciente de "nossas' más ações. Isso, claro, vale igualmente para qualquer ser humano que, abençoado pelo capitalismo, consegue acumular uma fortuna que poderia ser usada para salvar vidas humanas e não-humanas, mas que é usada para super maximizar o seu conforto, e especialmente quando é para quem pouco fez ou faz pela humanidade. Existem algumas funções mais úteis para o esporte, por exemplo, como atividade física e para a socialização. Tirando isso, transformar esportistas em heróis abonados nunca fará qualquer sentido hiper real, apenas se for dentro de nossas fazendas humanas onde a verdade nunca é um franco olhar para a realidade, e melhor, para a hiper realidade, mas um produto de ''nossos' delírios. 

Enquanto o país anfitrião se prepara para se passar de "higienizado" aos "olhos do mundo", especialmente se for uma autocracia intratável de segundo ou terceiro mundo, como o país da "bola da vez", medidas absolutamente cruéis podem estar sendo tomadas, e um exemplo que parece ter se tornado "de praxe" é o de "limpar" as ruas das cidades que receberão os jogos ou quando é a tal "olimpíada", retirando moradores de ruas, humanos e não humanos, e não se assuste se souber de matança indiscriminada de "animais" urbanos e/ou de ''realocamento'' mal-feito daqueles que antes ''enfeiavam'' os centros.. Ainda neste caso também podemos ter os verdadeiros direitos ao básico da dignidade humana corriqueiramente desrespeitados por exemplo, ter nascido "diferente" e ser tolhido de poder agir de acordo com a própria natureza, principalmente se, a priore, não for algo decididamente imoral/cruel. Perguntemos se os "futebolistas" [típicos] estão muito preocupados com isso... 

Quem são eles??

O homem heterossexual médio tende a adorar esportes, especialmente os coletivos, porque eles são basicamente simulações de cenários de guerras, em que temos grupos competindo entre si para ver quem será o vencedor. Esta é uma "tendência", ou melhor, uma realidade trans-cultural e portanto que perpassa as diferenças culturais, revelando algo que está biologicamente enraizado na psique masculina. O que também é democraticamente presente na humanidade é a sua natureza "auto"-domesticada, e vinculada à uma condição evolutivamente transcendental híbrida, em que somos os únicos capazes de esboçar níveis altos de empatia, que eu redefini e já comentei em muitos textos aqui e que o farei novamente no próximo/novo Blog, mas que em média considerável resulta em níveis insuficientes de eficiência ideal ou filosófica. O homem heterossexual médio é menos empático principalmente em termos afetivos colocando-o mais perto do espectro da personalidade anti social, geralmente caracterizada justamente por essa deficiência em termos psicologicamente ideais. Não é que a maioria dos homens sejam de proto-psicopatas ou sociopatas mas que, por apresentarem essa semelhança, a esboçam tal como ela é, porém, sem todo o pacote embutido, que os tornariam mais difíceis de lidar. Em alguns aspectos psicológicos fundamentais o homem médio  chega a ser melhor que a mulher mas não de maneira absoluta, por exemplo, em honestidade, sinceridade e coragem. Seriam absolutas se o fizessem vinculadas ao conhecimento e entendimento pleno de suas ações... isto é, de modo sábio, tendo as empatias corretamente integradas para uma finalidade idealmente trabalhada.


Para o típico futebolista, assistir a um grupo de marmanjos absolutamente enriquecidos correndo atrás de uma bola, oblitera boa parte das prioridades mais importantes que todo ser humano intelectualmente decente deveria ter "no sangue". Tente comentar com eles sobre as notícias higienizadas, para debaixo do tapete, como as exemplificadas, sobre o país anfitrião do próximo campeonato mundial?? Na maioria dos casos haverá desprezo ou tentativas tolas de justificar o que é injustificável para o verdadeiramente são, o mais sábio.

O homem médio excede na empatia cognitiva, claro, em média, mas no aspecto afetivo mostra-se muito mais debilitado do que a mulher, e esta exibe o padrão oposto. Existe uma evidente complementaridade mas esta relação geralmente está longe de ser perfeita ou de resultar em ações ideais entre os sexos. 

O futebolista (médio) parece ter metade do seu cérebro ou mais, transformado em torcida organizada do seu time de coração. Ele não parece se preocupar com quase nada ou tendo a taça da copa como principal prioridade ou importância em sua vida. Mas e quando não é tão alienado/ou não tão típico?? 

Aí pode acontecer dele se dividir em mais de um tipo de alienação ou ignorância, por exemplo, continuar como um futebolista acriticamente torcedor e também adotar pontos de vistas, menos rasos ou indiferentes, mas equivocados, quando não compra o pacote inteiro de sistemas de pontos vistas ou ideologias em que se equivocar é característica ou ato inescapável, de uma maneira ou de outra, cedo ou tarde.


O que era péssimo piora ainda mais, se é possível disto acontecer..

Em termos qualitativos o futebol parece ser como um tipo de ''roupa do rei'' que apenas a evolução convergente com base no dimorfismo sexual pode explicar ou justificar. Se comparado a outros esportes o futebol parece muito mais chato, por exemplo, o seu grau de competitividade em relação ao voleibol ou basquete, também coletivos... Não é nada incomum jogos maçantes com empates sem gols, enquanto que é impossível esperar o mesmo para qualquer partida de voleibol ou basquete. Percebam que a natureza masculina heterossexual média parece mudar pouco de costa à costa, mas o futebol não reina absoluto em todos os lugares. Se no Brasil o outro futebol, o americano, fosse transformado em ''esporte oficial'' dos homens héteros, não se assuste [novamente] se o ''nosso'' futebol ''inglês'' fosse ''jogado para escanteio'' e perdesse a sua a coroa de popularidade. Isso parece mostrar que para o ser humano médio a conformidade social é um preço que se paga com a vida, e em especial quando tem cérebros mais comuns e/ou menos complexos. Ao menos para nós isso parecerá com um sacrifício, mas para eles não será nada mais do que ''vestir o uniforme do time preferido'', isto é, em uma ação banal do cotidiano. 

Em termos de plasticidade, estética ou beleza, desprezando coxas bem torneadas, o futebol é um esporte bruto, e é desaconselhável sempre compará-lo com aqueles que se mesclam ao mundo das artes como a ginástica, como eu deixei no link acima. Portanto se pudéssemos pensar na ideia de ''gráfico'' aqui, enquanto ''beleza ou estética'', o ''video game'' futebol novamente perderia para outros jogos. 

Aqui eu reitero como conclusão aquilo que fui polvilhando desde o início do texto, que gostar de futebol, a priore, não é um pecado intelectual. Os maiores problemas começam quando, vinculado ao futebol, passa-se a desprezar outros e melhor, aspectos ou questões mais importantes, e neste caso ainda estamos falando a partir de uma perspectiva individual, porque por uma perspectiva coletiva, os esportes de maneira geral, já se transformaram ou talvez sempre foram armas para a alienação, tal como a religião ou a ideologia. E claro, só se torna alienado quem ''quer' ou já apresenta uma natureza acoplável a esse modo não-perdoável de existir, de viver. Temos apenas uma vida, assim como muitos outros e se levássemos a sério o poder que o povo tem não estaríamos neste momento chafurdando na lama de sempre de injustiças, desigualdades agudas e ignorâncias. Se fôssemos esperar por nossos ''heróis futebolistas de fim semana'', em sua esmagadora maioria [muito provavelmente], antes teríamos de esperar pelo término da partida... 

Um adendo

Futebolistas e ''homofobia''

Eu já comentei [e tentei encontrar o texto mas nada por enquanto] que a masculinidade ou a cultura masculina mais do que ter a si mesma como epicentro de sua expressão comportamental, parece ter aquilo que rejeita como foco principal. Ser ''homem'' não seria uma adição de características mas na eliminação ou negação de outras. Não é a toa que quase todo masculinista, análogo às feministas, sejam homofóbicos quase incuráveis, incapazes de auto-atualizarem quanto a este assunto, de mudarem as suas considerações quanto aos homossexuais, ou ao menos quanto ao indivíduo homossexual, se a demografia LGBT não costuma contribuir muito para passar uma ''boa' imagem para a sociedade em geral, que quase sempre mais conservadora. Ódio espumosamente instintivo/generalizado contra homossexuais parece ser a regra para o homem hétero médio e especialmente quando gosta de futebol ou esporte coletivo, [especificamente se for o mais popular de sua região], o mesmo que é usado como demarcador e sinalizador de sua suposta masculinidade purificada. Quando temos o futebol como alvo, pelo menos nos países em que é o esporte mais popular, não se chateie se acertar em: homofóbicos, carnistas, enfim, em homens que louvam a [sua] masculinidade acima de qualquer outra ''coisa'', especialmente acima das mais relevantes, que aliás, costumam estar em tensão constante com esse excesso indisputável que se consiste o masculinismo. 

É isso... 

segunda-feira, 28 de maio de 2018

Prévias do meu novo blog...

Pensei em eliminar este texto, mas o achei muito bom para merece tal destino, portanto está aí, que eu pretendia colocar no próximo blogue como o início de um capítulo mas que não vingou, até te-lo relido e visto que tem o seu valor. Desprezem erros [ou ''erros'] de gramática e alguma frase difícil de entender...

Antes tarde do que nunca

O que é filosofia? E por que a grande maioria dos auto declarados filósofos não o são? Novamente a precisão semântica 

A precisão semântica não é apenas a busca pela etimologia ou origem das palavras mas também a sua validação no mundo real, se é algo que representa uma realidade, se é uma redundância ortográfica, etc. A precisão pelo significado forçosamente necessita do objeto real que foi capturado ou associado ao símbolo/palavra, para que o seu conceito seja bem construído/refletido, exemplificado e usado.

A filosofia, em condições ideais de temperatura e pressão, deveria funcionar como um método ou meio para a sabedoria. O conhecimento, aquilo que todo sábio deveria dar maior importância, consiste basicamente no espelhamento perfeccionista a perfeito dos fatos ou realidades, a Priore, porque além disso também deve ser necessário o melhor uso  do mesmo. Além dos fatos também temos os valores. Reconhecemos uma ou partes de uma realidade e a partir daí pensamos no que fazer com ela/s. Também precisaríamos de algumas regras gerais neste sentido. O aparecimento de novos desafios como a autoconsciência via de regra, nos força à tê-la também como um ponto de referência muito importante na hora de agirmos, preferencialmente, a partir dos fatos, na construção de valores ou no direcionamento de atitudes.

Se a filosofia é a busca ou o amor pela sabedoria então por que a maioria dos filósofos modernos, quiçá a grande maioria dos filósofos ao longo da história humana, jamais conseguiram atingir ao ideal mais básico da filosofia, isto é, a sabedoria?? 

Porque tem havido uma grande frequência de descaracterização arquetípica entre eles, quando nós temos uma assimetria entre aquilo que o sujeito pensa ser e aquilo que ele é ou está sendo.

Na atualidade, ser filósofo, de acordo com os moldes acadêmicos, é primeiramente uma identidade cognitiva, já que basta apresentar habilidades verbais acima da média e portanto ser capaz de fazer todas as tarefas que tem sido atribuídas ao nobre ofício do pensar: entender textos ou ler livros tendenciosamente imensos, confusos ou excessivamente floreados em que se diz praticamente obviedades que textos muito mais sintéticos seriam muito mais eficazes para comunicar; repetir a mesma "receita", obscurecendo a comunicação e escondendo o nível geralmente raso, desimportante ou confuso das ideias principais. Assim como tem acontecido com a arte, a filosofia tem sido reduzida ao seu estágio embrionário, que é o ato de pensar, de esboçar rascunhos teóricos, de agir com base na perspectiva do sujeito observador mas sem buscar pela compreensão factual. Este aspecto altamente especulativo e excepcionalmente fraco na prática substituiu, vejam só, a própria sabedoria, tal como se a alma da filosofia tivesse sido roubada e dentro da mesma tivessem colocado qualquer coisa ou mesmo a matado, mantendo as aparências por meio do seu corpo. Os aspectos menos centrais foram centralizados. O aspecto moral OU emocional, a primeira intencionalidade do sábio, foi totalmente subjetivizada. É como se a medicina começasse a selecionar por médicos que... não são médicos em um sentido qualitativo e basicamente descritivo, e também que, apresentassem algumas habilidades/características secundárias à terciárias que são requisitadas para a profissão, e que não as mais fundamentais, como maneira de enganar o déficit mais importante. O médico que não cura, que não prescreve receitas potencialmente frutíferas para conter ou curar doenças, pelo contrário, que as induz. As estruturas hierárquicas da filosofia foram remodeladas tal como um vírus, ao menos nos centros acadêmicos, que modifica as informações genéticas de uma célula, e passou a replicar este modelo enganoso a partir de então, claro, graças à auto-seleção de pessoas que pensam ou acreditam que são filósofas ou mesmo que a compreendem. A filosofia foi ainda mutada para novas formas de pseudo conhecimento como por exemplo a sociologia, sub disciplina das ciências humanas que tem buscado de modo tolo entender o mundo apenas por si mesma enquanto que o mundo social, do comportamento humano, irrevogavelmente necessita de outras ciências para que possa ser plenamente entendido. Em países de língua inglesa, a filosofia infectada também tem dado novas crias de sub disciplinas ou de pseudo disciplinas, por exemplo, os infames "women studies", "race studies", lgbt studies". 

A filosofia agora, sobrevive sem a sua alma ou essência que é a sabedoria, retalhada em diversas sub filosofias, sem colaborar harmoniosamente com a ciência, uma de suas filhas, esta segunda que basicamente foi transformada em uma plataforma a priore capitalista, mas que o conhecimento também pode ser usado para atender à ideologias nocivas, comprovadamente equivocadas como o mesmo, ou também no caso do comunismo. É até o oposto já que tende a se contrapor à ciência, especialmente quando esta mostra-se mais competente para compreender as realidades que deveriam estar a seu cargo. 

A maioria dos professores de filosofia são, na verdade, de professores de história da filosofia ou, de história, e talvez seja até mais preciso dizer que eles sejam em sua grande maioria de professores de biografia dos filósofos mais importantes. O método filosófico sequer é ensinado em aulas de filosofia, na universidade ou nas escolas, talvez porque ele simplesmente não existe.

O conhecimento da sabedoria foi transformado ou retalhado para o "conhecimento do pensamento". Se é que podemos continuar a chamar de filosofia, algo que, de diversas maneiras despreza a sabedoria. 

Se continua a existir alguma filosofia no mundo é provável que você a encontrará, talvez mais parcial do que total, justamente em não-filósofos, estes supostos adoradores da sabedoria que neste exato momento estão a maltrata-la como ninguém. 

O que a filosofia é em sua essência ou núcleo, em suas bases principais, é possivelmente o oposto do que se transformou ou tem sido transformada, em um ramo da literatura que visa "se passar" de sabedoria. 

Uma suposta dificuldade ou inalcançabilidade de certo "pensamento" tem sido muito mais valorizado, bem ao sabor do ego dos tais "filósofos", do que a humildade prática da sabedoria. 

Quando nos perguntamos sobre o conceito de algo quase sempre também queremos saber sobre a utilidade do objeto de curiosidade. Portanto ao aplicarmos esta questão à filosofia assim como acontece com qualquer outra peça da realidade, necessitaremos de buscar pela praticidade ou usabilidade da mesma, tarefa talvez ligeiramente mais difícil, já que tudo aquilo que está terminalmente impregnado em cada aspecto de uma realidade tende a padecer de um paradoxo pois será de extrema relevância por sua natureza holística e inevitavelmente presencial ou basal mas ao mesmo tempo desintegrada justamente por aquilo que a Priore a fortalece ou valida a sua importância. Outro fator que torna a filosofia muitas vezes impraticável, desprezando o colosso sucessivo de mal uso dela por auto declarados filósofos e associados, é o caráter altamente perverso das sociedades humanas especialmente as complexas. Basicamente o filósofo verdadeiro, em condições ideais, deveria estar no comando das nações, e no entanto os seus lugares mais corretos já estão ocupados e justamente por seus opostos, com grande frequência, comprovando o nível de perversidade da quase totalidade das sociedades humanas.