Minha lista de blogs

domingo, 19 de novembro de 2017

Autistas: mais literais com as pessoas....mas...mais abstratos com as ideias??

Segundo a literatura sobre o autismo os autistas tendem a ser mais literais e ponto. Tendem a interpretar frases com sentido figurado, metafórico ou simbólico de maneira mais concreta. Também tendem a fazê-lo nas interações com as outras pessoas denotando maior vulnerabilidade para a ingenuidade ou a partir de um excesso de racionalidade subjetivamente torneada. No entanto quando o assunto é lidar com ideias, pensamentos, hipóteses, teorias e fatos, os autistas tendem a ser, pelo que parece, mais propensos (ou em igual nível que as pessoas mais cognitivamente inteligentes) à "abstratizar" ou a internalizar com facilidade informações de natureza abstrata ao invés de buscar fazê-lo de modo mais concreto ou tendo como finalidade uma maior clareza de entendimento que inevitavelmente pende para o mais concreto [não necessariamente de maneira literal, como eu já comentei ... por exemplo, no caso da palavra ''emoção''... podemos ter um bom entendimento sobre o que se consiste mesmo sem ter provas físicas ou neurofisiológicas quanto à sua existência ou quanto ao seu mecanismo].

Só isso.

De novo o mais do mesmo de sempre, só que pretensamente reducionista e objeto: a maioria dos MAIS inteligentes são de hiper-''racionalizadores'' [irracionalizadores] e não de ''hiper-heuristicistas'' [excepcionais na compreensão factual]

Gagueira na leitura da mente, mais um relato pessoal

"Do nada" eu comecei a ter tiques nervosos a partir do momento em que passo a olhar para faces alheias, em sua maioria. Encontrei algumas possibilidades de explicações ou ao menos para falar sobre os mecanismos anatômicos que seguiram essas mudanças. Agora pego novamente a ideia de que este meu problema atual tenha uma base emocional acoplada à uma tendência da minha mente de se tornar obsessiva em relação a assuntos intelectuais ou interpessoais, tendo como aspecto característico o mesmo problema que resulta na gagueira. Pois então, tal como o gago pensa que a fluência dá-se com base no controle consciente ou voluntário da fala, que não se consiste em sua verdade, eu passei a me tornar obsessivo com a possibilidade de controlar conscientemente ou deliberadamente as minhas reações emotivas às interações interpessoais de todas as magnitudes especialmente quando passei a prestar atenção ansiosa a qualquer uma delas na rua ou em casa. E quando parei de achar que todo mundo é importante nesse aspecto diga-se essencial da vida, a minha ansiedade na reciprocidade interpessoal simplesmente reduziu [ainda que não muito] como tem acontecido por agora.


Intolerância à opiniões//e ações subjetivamente diferentes e consequente conflito ou empatia interpessoal defensiva excepcionalmente ansiosa



Creio eu que os meus níveis de estresse subiram tanto que comecei a ter esses tiques, enfim, como eu já revelei, eu também sou um ''snowflake'', só que ao contrário da maioria deles, eu não me irrito por qualquer coisinha, não se consiste em um estado pré-histérico embasado em besteiras ou em ideias//informações predominantemente equivocadas...

Agora eu preciso começar a lutar contra esse estado extremo de neurose que acabei por me encontrar nas últimas semanas, se não acredito que terei problemas no futuro, se já não estou tendo-os no presente...

Auto agradabilidade = psicoticismo == personalidade anti-social...

Quantas vezes que os homossexuais em média enchem o saco sobre a vida sexual dos heterossexuais??

0

sábado, 18 de novembro de 2017

Racionalidade como produto do pensamento, lógica como expressão

Forma- expressão- produto 

Ou 

Ação primária // reação secundária



A razão é produto do raciocínio

A lógica é a expressão, geralmente verbalizada, do instinto//e neo-instinto OU do pré-raciocínio.

A lógica é basal ao pensamento deliberado do indivíduo e pode evoluir para uma racionalização das inclinações instintivas ou passando de uma abordagem declarativa (eu sou//penso assim) para uma abordagem argumentativa (porque..) 

A razão consiste na "reflexão" da "flexão lógica", tendo como método ou princípio de comportamento, uma abordagem equilibrada, entre a opinião subjetiva, do indivíduo, e a realidade, àquilo que é inegociável, buscando com isso estabelecer um diálogo entre si mesmo e a realidade, e tendo como condição final a idealidade ou o equilíbrio, e preferencialmente a sua maximização. 

sexta-feira, 17 de novembro de 2017

Especulação potencialmente repetitiva: cultura machista acoberta parte do espectro de continuidade entre a homossexualidade e a heterossexualidade exclusiva

Você, homem, acha alguns homens bonitos?? 

Sabemos que a maioria se não a grande maioria das mulheres não tem problemas de acharem outras "irmãs" bonitas e de comentarem sobre isso. Isso faz parte da cultura feminina de uma maneira geral. No entanto sempre foi comum para o homem sufocar os seus sentimentos especialmente aqueles que tola ou não tolamente poderiam ameaçar a sua integridade masculina aos olhos de conhecidos e amigos. Portanto a Priore parece que a principal diferença entre homens e mulheres nesse quesito é que elas são muito mais abertas ou francas sobre aquilo que sentem bem como também sobre as suas impressões, por exemplo, de achar uma mulher bonita. 

O princípio da inversão?

Quase todo ser humano, homem e mulher, eu poderia arriscar, podem e acham algumas pessoas do mesmo sexo, bonitas. Percebam bem que ser bonito ainda não é o mesmo que ser atraente. Quando um homem acha outro homem atraente mesmo que se identifique como heterossexual é provável que terá algo a mais em sua mente porque isso significa que ele se sentirá de alguma maneira atraído por (alguns) homens. 

Achar pessoas do mesmo sexo mais bonitas é universal e logicamente esperado por se consistir apenas em mais uma particularidade disponível para ser avaliada ou julgada pela percepção humana. A partir do momento em que nos sentimos atraídos por alguém do mesmo sexo, mesmo se isso se der de maneira muito leve ou neste caso muito insulada, então isso significa que não estamos apenas julgando o nível de simetria ou qualidade da composição facial ou corporal de outro ser humano mas também que nossos hormônios podem apitar mais forte, isto é, ser algo mais profundo, além de uma análise cognitiva trivial mas masculinamente polemizada. 

Excitação sexual 


Eu já comentei e mais de uma vez que seria importante analisar o nível de excitação sexual pelo mesmo sexo OU pelo ato sexual em si (mesmo com cenas gays), e ambos já denotariam uma maior flexibilidade de comportamento nesse aspecto. Se descoberta mesmo uma continuidade mais intensa da heterossexualidade a homossexualidade nesses aspectos poderíamos então em partes demonstrar que especialmente as minorias sexuais não são aberrações descontínuas ou extra-espectrais da natureza sexual humana mas como expressões intensas e invertidas de comportamentos alguns deles como os citados acima que parecem ter uma natureza universal OU que não tem como ponto de origem em si mesmos.


Em um próximo texto eu vou falar um pouquinho mais sobre esse assunto...