Minha lista de blogs

domingo, 23 de julho de 2017

Ordens das desordens

Análogos mais saudáveis ou pretensamente-perfeitos das desordens mentais

Esquizofrenia = (a sua versão análoga equilibrada)  personalidade introspectiva/imaginativa/especulativa /empática/ continuamente criativa. 

Autismo= personalidade/psico-cognição objetiva/ justa/ minuciosa/ talentosa/ descontinuamente criativa 

TDAH= personalidade carismática/otimista/eufórica/ enérgica 

Psicopatia = personalidade compreensiva/ protetora/ carismática/corajosa ou audaciosa 

Distúrbios de humor: flexibilidade comportamental e mais racional ou específica à inter-ação dada.

Fobias: mecanismo de proteção 

Fobia social/timidez: mecanismo de proteção em relação aos seres humanos (como se a presa se tornasse consciente de sua fragilidade)

Depressão: personalidade ou dimensão de personalidade crítica/ reflexiva (em relação ao passado) /calma/ existencialista/ultra realista.


Mentira patológica: grande capacidade criativa/imaginativa de natureza verbal.


Este não é um insight total. Só achei interessante dar uma suposta maior precisão àquilo que achei vago. Cada traço exacerbado numa condição mental, ordenado em uma condição mental análoga e equilibrada.

Espectro da memória autobiográfica, intermediária e semântica e alguns mexidos

Toda memória semântica tem como ponto de origem a memória autobiográfica porque se refere à lembranças ou memórias preferenciais do indivíduo. 

A inteligência dos deveres ou afazeres pessoais, aquilo que os testes cognitivos tendem a mensurar 

A inteligência dos direitos pessoais [principiando pelo entendimento da macro-realidade, a mais importante para o indivíduo], aquilo em que falham miseravelmente apesar de correlacionar acidentalmente 

Fatos autobiográficos: autoconhecimento à lembranças pessoais.


Eu tive um cachorro maravilhoso e amigo chamado Pluto [1994/95--2006]. Teve um dia, ou melhor, uma noite, em que ficamos nós dois espreitando a beleza silenciosa e distante das estrelas, vivenciando aquele momento terno e valoroso. 

Fatos intermediários: Indiretamente pessoais /ou impessoais por exemplo fatos políticos e psicologia.


Ele era brincalhão /personalidade, de cor marrom claro e algumas partes esbranquiçadas/ característica física e gostava mais do meu pai, na verdade ele o adorava/ interação inter-vitais: fato autobiográfico que pode ser ''expandido'' para uma análise mais impessoal, sistematizada ou em segunda/terceira pessoa.

Fatos mais puramente semânticos: Contas matemáticas, capital de um país (ainda que este ainda seja indiretamente relacionado à pessoa), nome científico de plantas.


Ele era da raça X. Infelizmente veio a falecer [fato autobiográfico] de X [''fato semântico'' ou tecnicamente descrito].

Bipolar: defeito na hora de abaixar ou de aumentar o volume das emoções/ de alterná-las

Borderline/personalidade limítrofe: bipolar amalgamado em intensidade e [portanto] mais contínuo (zona de intersecção entre o cluster anti-social e o cluster bipolar) 

Ciclotímico: ainda mais amalgamado ou menos intenso especialmente em relação aos traços "negativos' OU defensivos/ de sobrevivência.

Doses de realismo: ultra realismo (camada existencial/ filosofia), mega realismo (camada evolutiva/naturalista/ciência), médio realismo ou mundano-realismo (camada comum humana/social), surrealismo ou camada surrealista ( cultura/ideologia/religião)

sábado, 22 de julho de 2017

Personalidade reativa (mais racional?) e ativa (instintiva)

Personalidade reativa: espera pelo "ambiente" para reagir de maneira "apropriada'. Nível mais alto de adaptação ideal/ mais baixo de ação e portanto de adaptação real/ relativamente menor vulnerabilidade para a conformidade social [especialmente em relação ao seu temperamento mais intenso: melancólico]

Personalidade ativa: reage à sua maneira, portanto mais estereotipada, especialmente ou fundamentalmente em relação ao comportamento. Nível mais baixo de adaptação ideal/ mais alto de ação e adaptação real/ relativamente maior vulnerabilidade para a conformidade social [especialmente em relação ao seu temperamento menos intenso: sanguíneo]


Observar padrões versus intuir com base nos próprios instintos

A personalidade reativa é mais propensa a observar padrões de maneira mais profunda e precisa antes de interagir, e isso basicamente se consiste em entender a realidade antes de passar para a ação. 

Já a personalidade ativa é mais propensa ou, definitivamente caracterizada, por interagir com a realidade/padrões, antes de tentar entendê-los plenamente, e o faz com base em seus impulsos/bases instintivas. Nesse aspecto poderíamos dizer que as pessoas que apresentam um predomínio dessa personalidade serão mais propensas a se assemelharem aos seres vivos não-humanos, justamente por suas cargas instintivas igualmente predominantes.

A cultura é um exemplo interessante para demonstrar as saliências de comportamento ou operacionalidade dos dois tipos de personalidade que estão sendo propostos aqui e com base nessa perspectiva ou ênfase.

Pessoas mais instintivas ou com maior predomínio da personalidade ativa são mais propensas a aderirem com rapidez à cultura ou sistema moral em que estão inseridas, por algumas razões: porque a cultura ou sub-culturas tendem a refleti-las, se elas já tendem a ser produtos desses ''ambientes abstratos''; porque tendem a ser menos definitivamente inteligentes, já que agem mais por impulso [conhecimento instintivo] do que por conhecimento, provavelmente por terem um menor caminho de desenvolvimento de seus cérebros. 

Os critérios de adaptação são mais suspensos ou prováveis para aqueles com o predomínio de personalidade reativa, porque todos os ambientes tendem a apresentar os mesmos padrões ou padrões universais de constituição, já que são forjados e mantidos pelas mesmas leis, da física... e da física orgânica [dos organismos].

Os critérios de adaptação para os de personalidade [mais] ativa tendem a ser menos importantes especialmente se forem espécies mais generalistas, por exemplo, eucalipto, no caso do reino das plantas. No caso de espécies mais exóticas, os critérios serão extremamente importantes, porque isso dependerá de suas reais capacidades de adaptação e/ou sobrevivência.

No entanto os generalistas impulsivos ou tipicamente instintivos são os mais propensos a se exporem a toda sorte de riscos sem terem antes feito qualquer cálculo ou reflexão. 

Os de personalidade [mais] reativa, no caso, claro, dos seres humanos, serão como ''generalistas mais reflexivos ou cautelosos''. 

Conservador: o autista comportamental

Ordem e progresso (lógico-naturalista)... no comportamento 

As leis naturais e/ou da física orgânica, de "se conformar" às leis lógicas da natureza comportamental (sobrevivência, adaptação e reprodução) da espécie a que se pertence.


Conservador: ordem e ''lógica' [ideal] no comportamento/ mais instintivo. [tendência para menor abertura para a experiência/ideacional, menor criatividade = maior convencionalismo, no mentalismo.

ordem mentalista, tendo o ''ideal coletivo'' como ponto de referência.

ordem [ou nem tanto] no mecanicismo [mas também tende a ser].

ênfase cartesiana no mentalismo, especialmente os tipos mais esquizo-páticos [religiosos] mas não no caso dos ''conservadores mais intelectualmente inteligentes''.


Autista: ordem ou cartesianismo no pensamento [tendência para maior abertura para experiência/ideacional, maior criatividade = menor convencionalismo no aspecto comportamental ou mentalismo

''desordem' mentalista [em média], tendo o ''ideal individual'' como ponto de referência.

ordem no mecanicismo [em média]

ênfase cartesiana no mecanicismo.

mais ''ilógico'' no mentalismo, menos de acordo com as macro-convenções seletivas [como que a seleção natural/sexual/cultural ou antropomórfica tem operado entre os seres humanos]. ''macro=coletivo''.

Traços psicológicos bons e ruins OU receptivos/ sociais e defensivos/ urgentemente vitais/ de sobrevivência